Comunistas.infoComunistas.infoComunistas.info
QUEM SOMOS
ACTUALIDADE
-
19 DE DEZEMBRO DE 2008, SEXTA FEIRA
POR: Rui Tavares
Se não sabem, perguntem
"Não estou a dizer que vai acontecer. Não estou a dizer que deva acontecer. Mas a minha impressão é a de que — se vier a acontecer — tudo mudou." Leia aqui esta interessante crónica que Rui Tavares escreveu para o Público na sequência do encontro da Aula Magna.
Não estou a dizer que vai acontecer. Não estou a dizer que deva acontecer. Mas a minha impressão é a de que — se vier a acontecer — tudo mudou.

As análises de como é impossível, cansativamente impossível, haver convergência de esquerda já estão todas feitas. Poupemos tempo ao leitor.

O que até agora ninguém fez foi sentar-se para pensar em quanto poderia valer um futuro partido de Manuel Alegre, se coligado ao Bloco de Esquerda. Contas por baixo, eu diria que para lá de quinze por cento, com vinte a trinta deputados no parlamento. Isto significa o dobro do PCP, três vezes mais do que o CDS, e talvez metade do PSD. Significa ser o terceiro partido, destacado, provavelmente impossibilitar a maioria absoluta do PS, e retirar-lhe sequer a possibilidade de fazer governo com o CDS (mesmo que matematicamente possível, seria suicidário juntar-se ao provável último partido nas eleições, escancarando assim as portas às críticas da esquerda em crescendo). Numa situação dessas restariam duas hipóteses a Sócrates. A primeira seria ter um governo minoritário num parlamento em que a nova coligação de esquerda seria uma força fundamental. A outra seria aliar-se a um PSD em cacos num governo de Bloco Central que, em anos de crise, seria visto pela população como o aliado natural dos grandes interesses. A segunda opção seria má para o PS, muito má para o PSD, e pior para a República.

Surpreende-me por isso que haja um coro instantâneo garantindo que não há aqui nada de novo. Do meu lado, ainda me encontro a digerir a ideia. Não estou a dizer que vai acontecer. Não estou a dizer que deva acontecer. Mas a minha impressão é a de que — se vier a acontecer — tudo mudou.

***

A ideia de que o diálogo à esquerda é uma coisa supostamente muito difícil parte de uma distorção de perspectiva. Entre o povo de esquerda as diferenças são hoje muito mais superáveis (sempre foram, aliás) do que entre os líderes partidários obrigados à competição eleitoral. Consideremos este diálogo entre bloquistas e alegristas. O primeiro acto foi um comício; o segundo acto já foi uma série de debates entre especialistas e políticos com uma componente prática. E agora, depois da notável aceleração que se deu este Domingo, há uma tendência natural para pôr alguma água na fervura. A começar pelos líderes, que não sabem o que sairá dali.

A minha sugestão é: perguntem. A opacidade dos partidos políticos em Portugal e os nossos fracos índices de participação política — combinada com uma tendência dos líderes de esquerda para o controleirismo — sempre foram um problema. A consequência é um desperdício de potencial político da nossa sociedade civil. Quem não quiser contrariar isto não poderá realmente mudar o país.

Façam um fim de semana de debates em sistema semi-aberto, com uma parte de convites e outra de inscrições voluntárias. Criem uma estrutura na internet, ainda antes do evento, para receber inscrições e para divulgar as sugestões concretas que saíram dos debates já realizados, do direito do trabalho à economia. Aceitem que alguns desses inscritos participem na organização. E façam a coisa sem compromisso — ninguém tem de ser de um partido ou sequer defender a fundação de um partido — mas centrada nos temas da esquerda, da democracia e da cidadania. Pelo caminho compreenderão se vale a pena alterar o mosaico de partidos existente ou deixá-lo como está, aumentando apenas os canais de diálogo. Isso talvez nem seja o mais importante. Mas perguntem. As pessoas vos dirão o que pensam.


do Público transcrito do blog Ruitavares.net/blog


 
se não sabem perguntem
Enviado por Joaquim Amadeu Machado, em 20-12-2008 às 02:31:00
Outro sectario burguês. Só pode ser. Com Alegre e com o BE?
Combatem mais o PCP do que a direita. Lembram-se da CIA que recrutava lacaios na extrena esquerda? nIsso ainda não acabou. A burguesia tem posições de viada das quais não abdica. Filiem - se no MIRN. Vão meter nojo para outro lado.

O seu comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório

Digite em baixo os caracteres desta imagem

Se tiver dificuldade em enviar o seu comentário, ou se preferir, pode enviar para o e-mail newsletter@comunistas.info.