Comunistas.infoComunistas.infoComunistas.info
QUEM SOMOS
ACTUALIDADE
-
17 DE MAIO DE 2008, SÁBADO
POR: Catarina Fidalgo
Uma reflexão sobre o filme de Abdel Kechiche
“O segredo de um Cuscuz”
"É uma história sobre emigrantes mas podia ser apenas uma história sobre trabalhadores. Ou talvez não. Esta Europa aniquila o sonho básico de qualquer homem, emancipar-se face ao seu empregador, validar a sua vida apropriando-se do fruto do seu trabalho. Mas quando já perdemos a esperança os nossos heróis conseguem deter-nos num interminável compasso de espera. Um balançar de ancas sofrido e exausto faz pasmar os tristes carrascos. Um esforço que não acaba nunca, de geração em geração."
A LUTA DE CLASSES E UM PRATO DE CUSCUZ
Uma reflexão sobre o filme: “O segredo de um Cuscuz” de Abdel Kechiche

A teia de afectos envolve-nos.
Somos embalados numa densa intriga da vida doméstica a transbordar de humanidade.

Todos os diálogos são prenhes de significado político sem que este ofusque a questão central do filme: o amor.

Há uma grande dose de encantamento mas sem ingenuidade nenhuma. Pelo contrário.

A Europa é cínica e insolente. O seu retrato faz-nos corar de vergonha.

As mulheres deste filme são gigantes de força. Os homens tentam estar à altura e quase todos conseguem.
A família surge como uma unidade matriarcal onde a mulher discute tudo: desde a crise sindical aos implantes de silicone.

Somos esmagados pelo desempenho de uma jovem actriz, Hafsia Herzi. A sua personagem alia uma inteligência mordaz a um erotismo candente. O seu magnetismo está captado de uma forma arrebatadora. Mas o fascínio que ela nos provoca radica mais uma vez no seu único propósito: o amor.

É uma história sobre emigrantes mas podia ser apenas uma história sobre trabalhadores. Ou talvez não.
Esta Europa aniquila o sonho básico de qualquer homem, emancipar-se face ao seu empregador, validar a sua vida apropriando-se do fruto do seu trabalho. Mas quando já perdemos a esperança os nossos heróis conseguem deter-nos num interminável compasso de espera. Um balançar de ancas sofrido e exausto faz pasmar os tristes carrascos. Um esforço que não acaba nunca, de geração em geração.

Mesmo que seja apenas para que a luta continue…

Catarina Andrade Fidalgo
17 de Maio de 2008


 

O seu comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório

Digite em baixo os caracteres desta imagem

Se tiver dificuldade em enviar o seu comentário, ou se preferir, pode enviar para o e-mail newsletter@comunistas.info.